COMISSÃO DE VEREADORES VAI APURAR DENUNCIAS CONTRA PREFEITO LUIZ IKENOHUCHI DE CANDEIS DO JAMARI

98c8642905551be764f4baf5c6ee78ed

Candeias do Jamari, RO - O Poder legislativo de Candeias acordou e resolveu dar uma clara demonstração de descontentamento com a administração sonolenta do prefeito  do Candeias Luiz Ikenohuchi e por 6 votos favorável e três votos contra resolveu criar uma comissão processante para averiguar duas denúncias protocoladas na câmara municipal por um cidadão do município.

Segundo um vereador ouvido pela reportagem da Folha Rondoniense, as duas denuncias são por infração politico administração que são atrasar o ano letivo no município sem explicação plausível e a outra se refere a falsificação de documento público de interesse da municipalidade.

Segundo um técnico da câmara municipal ouvido, não é uma CPI (Comissão Parlamentar  de Inquérito) é apenas uma comissão processante, que após constituída e instalada vai averiguar todas as denúncias encaminhadas a Câmara Municipal, com direito ao contraditório do Prefeito, busca de informações, averiguações, depois sendo emitido um  parecer e votado em plenário, após a votação dependendo do resultado ai sim será criado uma CPI com poderes para emitir um parecer, solicitando a cassação do mandato do Prefeito Luiz Ikenohuchi, que precisará ser votada em plenário.

O que mais esta irritando a maioria dos vereadores é a pasmaceira em que se encontra a administração de Candeias nesses meses em que o prefeito ilegítimo do candeias Luiz assumiu após o assassinato do verdadeiro prefeito do coração dos candeienses Chico Pernambuco.

Segundo um vereador ouvido pela reportabem, o município parou no tempo, estagnou, nada anda, a omissão do prefeito é gritante no que se refere ao enfrentamento dos grandes problemas do município, não tem projetos, não tem atitude, é tudo uma pasmaceira total

Na sessão de ontem, verificou a presença de vários assessores e cargos comissionados da administração municipal que foram a sessão simplesmente para tumultuar e atacar os vereadores, tudo sob a coordenação da secretaria Municipal de Educação  Senhora Francicleia.

MORTE DE CHICO PERNAMBUCO

As investigações da Polícia Civil apontam que Katsumi Yuji Ikenohuchi Lema, que é primo do atual prefeito de Candeias do Jamari, Luiz  Ikenohuchi, teria sido o mandante do crime de execução contra o ex- prefeito Francisco Vicente de Souza, o Chico Pernambuco (PSB). A polícia relata que Katsumi conseguiu fugir do cerco policial nesta manhã e não se sabe seu  paradeiro. Ele estaria mudando constantemente de endereço para tentar escapar da prisão.

Os acusados  presos pela morte de Chico Pernambuco  foram identificados como Marcos Ventura Brito, Willian Costa Ferreira ,  Henrique Ribeiro de Oliveira, Diego Novais Conceição e  Yasmin Xavier Tejas. Eles  foram encaminhados nesta manhã para Delegacia de Homicídios na capital, onde foram ouvidos pelos delegados responsáveis pelo inquérito e posteriormente encaminhados para o presídio Pandinha, onde ficarão  presos provisoriamente.

Segundo a polícia , de acordo com depoimentos dos suspeitos, Chico Pernambuco teria feito um acordo antes da campanha com um grupo político do atual prefeito. Durante o pleito eleitoral, o então candidato  teria recebido a quantia de R$ 300 mil sob compromisso de disponibilizar as secretarias de Educação e Agricultura para o grupo. Após ser eleito, ele não cumpriu o compromisso.

Marcos teria sido contratado junto com os demais comparsas por Katsumi , primo do atual prefeito, pelo valor de R$50 mil,  para executar o Chico. Dessa forma o primo assumiu o cargo de  prefeito de Candeias do Jamari.

A prisão dos acusados ocorreu durante a denominada Operação Brutus, da Polícia Civil, deflagrada a partir das investigações resultantes da prisão de Marcos Ventura Brito por tráfico de drogas. Com ele a polícia apreendeu a arma do crime. Marcos vinha sendo monitorado pela Delegacia de Narcórticos, inclusive com gravações telefônicas. Sua mulher, Yasmim, também foi presa.

Agindo em nome do primo do vice-prefeito de Candeias, eles teriam contratado , em 7 de março, William, Henrique e Diego para darem cabo da vida do prefeito, o que possibilitou a posse do vice.

A polícia apurou que Pernambuco vinha sofrendo pressões do grupo que o apoiou na eleição, por isso chegou a oferecer as secretarias de Educação e Meio Ambiente, mas apenas para os cargos titulares. Os assessores só poderiam ser indicados e nomeados por ele.

O estopim para a morte de Pernambuco foi o fato dele ter atrapalhado uma licitação que seria ganha pelo grupo do vice-prefeito.

Três réus são condenados pela morte do prefeito de Candeias do Jamari

Os acusados Talisso Souza de Oliveira, Wellyson da Silva Vieira e Willian Costa Ferreira foram condenados pelo homicídio do prefeito de Candeias do Jamari, Francisco Vicente de Souza, mais conhecido como Chico Pernambuco, crime ocorrido em 18 de março de 2017. A sentença foi lida pela juíza Juliana Paula Silva da Costa Brandão, às 18h30min desta terça, após dois dias de julgamento.

Talisso recebeu pena de 15 anos de reclusão. Foi ele quem disparou contra Chico Pernambuco, causando-lhe sua morte. A mulher que estava ao lado do prefeito, Bruna Blackman Mota, teve a perna atingida por um dos disparos. “Pessoa que prontamente atendeu ao convite para ser o impiedoso executor da vítima”, destacou a magistrada na sentença sobre a culpabilidade de Talisso.

Já Wellyson, confessou, ainda em fase de inquérito policial, ter conduzido a motocicleta usada no crime, a qual ajudou a incendiar com a finalidade de dar fim ao veículo que poderia ser prova do crime. Ele foi condenado à pena de 14 anos de reclusão.

William foi condenado a 14 anos e 6 meses de reclusão. Segundo as investigações, ele foi responsável por ter alugado o veículo para auxiliar na operação criminosa. Além disso, conduziu o carro até Candeias, transportou Talisso e os combustíveis para incendiar a motocicleta.

Todos os réus foram condenados pelo artigo 121, §2º, incisos I e IV (homicídio, motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima), combinado com o artigo 29, ambos do Código Penal, o que se refere a concurso de pessoas.

Durante o primeiro dia do julgamento, no dia 5 de março, foram ouvidas 4 testemunhas de acusação e 5 testemunhas de defesa. No período da noite ocorreu o interrogatório dos réus, todos negaram a participação no crime. Às 21 horas, o julgamento foi suspenso e as atividades foram retomadas nesta terça-feria, dia 6.

No segundo dia de julgamento, às 8h30min, iniciaram os debates. A acusação foi representada pelo promotor Júlio César de Souza Tarrafa e pela advogada assistente Corina Fernandes Pereira. O promotor solicitou a procedência integral da pronúncia dos réus em que consta a condenação de todos os envolvidos. A defesa de Willian, Wellyson e Taillon pediram a absolvição sustentando a negativa de autoria. O conselho de sentença foi composto por quatro mulheres e três homens.

Os outros três acusados de participarem do crime, Marcos Ventura Brito, Diego Nagata Conceição e Henrique Ribeiro de Oliveira serão julgados nesta quinta-feira, 8 de março. O réu Katsumi Yuji, que encontra-se foragido, não será julgado nesta semana, pois sua defesa entrou com recurso.

Entenda o crime

Conforme a denúncia do Ministério Público, de acordo com as provas e demais elementos no Inquérito Policial, pessoa(s) cuja identidade ainda se encontra em apuração, pretendendo a morte de Chico Pernambuco, combinaram com Katsumi Yuji Ikenohuchi Lema para que este elaborasse um plano, contratasse pessoas e promovesse os meios necessários para a execução do homicídio.

Katsumi então teria se associado, mediante promessa de pagamento, com Marcos Ventura Brito, seu ex-cunhado, o qual ficou responsável pela contratação de outros elementos e aquisição de armas e veículos para executar o crime.

Para isso, Marcos convocou, ainda, Henrique Ribeiro de Oliveira, Willian Costa Ferreira, Diego Nagata Conceição, Wellyson da Silva Vieira e Talisso Sousa de Oliveira, os quais também, mediante promessa de pagamento, executariam o projeto criminoso.

Existem nos autos informações que a realização de atos administrativos no âmbito da Prefeitura Municipal de Candeias do Jamari desagradou o acusado Katsumi, o qual fazia parte de um grupo que prestou apoio financeiro à campanha para a eleição do prefeito Chico Pernambuco. Conforme a investigação, após a prática dos atos administrativos que desatendeu o interesse pessoal de Katsumi e de seu “grupo” foi arquitetado todo o plano para a execução do prefeito.

FONTE: O OBSERVADOR

DA REDAÇÃO DO HOJERONDONIA.COM

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

E-mail: hojerondonia@gmail.com / wilmergborges@hotmail.com